“É outro mundo”, diz refugiado congolês após reunir a família no Brasil