App e site feitos por migrante ajudam a ir “além das fronteiras” da burocracia

0
26
Tela inicial do app Além das Fronteiras, disponível para celulares com sistema Android. Crédito: Rodrigo Borges Delfim/MigraMundo

Disponível em quatro idiomas, app e site Além das Fronteiras reúnem informações úteis e auxiliam em questões relacionadas à regularização migratória

Por Rodrigo Borges Delfim
Em São Paulo (SP)

Entender a documentação exigida pelos organismos públicos e obter informações sobre regularização migratória e acesso a direitos é uma barreira para os migrantes que vivem no Brasil. Foi pensando em ajuda a transpor essa fronteira que surgiu o aplicativo “Além das Fronteiras“, no ar desde outubro e que pode ser acessado tanto na web como em forma de aplicativo para celulares Android.

O aplicativo e o site foram criados por Wilbert Rivas, nascido no Peru e criado na Bolívia, com recursos da segunda edição do VAI TEC, programa da Prefeitura de São Paulo que fomenta a elaboração de soluções tecnológicas e inovadoras para promover desenvolvimento, geração de renda e empoderamento social.

“A ideia surgiu a partir da minha experiência de trabalho na área de imigração e querer compartilhar meus conhecimentos com os imigrantes (quando falo imigrantes me refiro a imigrantes econômicos, solicitantes de refúgio e refugiados) e pessoas que trabalham dando suporte aos imigrantes com informações sobre regularização migratória e acesso aos direitos de um jeito mais dinâmico”, explica o idealizador do projeto, que já trabalhou na capital paulista em instituições como o CAMI (Centro de Apoio e Pastoral do Migrante), CDHIC (Centro de Direitos Humanos e Cidadania do Imigrante) e o CRAI (Centro de Referência e Atendimento ao Imigrante).

Tela inicial do app Além das Fronteiras, disponível para celulares com sistema Android.
Crédito: Rodrigo Borges Delfim/MigraMundo

Disponível em quatro idiomas (português, espanhol, inglês e árabe), o Além das Fronteiras consiste em disponibilizar (tanto na web como pelo celular) os modelos de formulários a serem preenchidos pelos migrantes, além de reunir uma série de informações úteis ao público migrante sobre serviços nas esferas municipal, estadual e federal.

Assim, por exemplo, o migrante consegue economizar tempo e recursos (como o que gastaria para se deslocar de onde mora até o local de atendimento), obtendo de antemão os formulários básicos para serem preenchidos.

“Eu via pessoas de bairros muito distantes [de São Paulo] e até mesmo de outras cidades que vinham para as instituições aonde já trabalhei à procura de informações. E muitas vezes eles tinham que retornar apenas para pegar uma folha com uma declaração ou data de agendamento”, lembra Wilbert.

Tela de opções do app Além das Fronteiras.
Crédito: Reprodução

Incerteza e esperanças

Até o momento, Wilbert está sozinho no desenvolvimento do projeto e busca parceiros para manter o projeto de pé – o apoio do VAI TEC termina ao final de 2017. “Além das Fronteiras é um sonho que eu perseguia há mais de seis anos e pelo apoio do VAI TEC se fez realidade. O principal desafio vai ser ter apoio financeiro para poder manter o app e o site atualizados no dia a dia.

Uma vez conseguindo esse apoio, Wilbert espera dar o passo seguinte na consolidação do projeto, feito por um migrante e voltado para o público migrante.

“O próximo passo é tornar o app e site como uma referência de prestar serviço para imigrantes e pessoas que trabalham prestando serviço aos imigrantes. E também implementar um atendimento pelo WhatsApp em vários idiomas online) prestar serviços para cada realidade das comunidades de imigrantes de forma gratuita e profissional.

Apesar das dificuldades, Wilbert mantém o otimismo e crê que já conseguiu fazer o mais complicado, que é iniciar o projeto. “O importante é que o app e o site já estão em andamento, já deram o primeiro passo para subir os degraus que vê pela frente”.

DEIXE UMA RESPOSTA

Insira seu comentário
Informe seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.