publicidade
quarta-feira, maio 22, 2024

Brasileira é alvo de xenofobia em aeroporto em Portugal; organizações e políticos repudiam ato

Xenofobia em Portugal contra brasileiros cresce junto com o interesse em migrar para o país europeu, onde já representa a maior comunidade migrante

Por Maria Eduarda Matarazzo, com colaboração de Rodrigo Borges Delfim

Uma mulher brasileira de 35 anos, que preferiu manter sua identidade anônima, foi vítima de xenofobia enquanto estava no Aeroporto da cidade do Porto, região norte de Portugal. O incidente foi registrado pelas agressões verbais sofridas pela vítima, gerando grande visibilidade nas redes sociais e expondo a realidade enfrentada por muitos brasileiros que residem em Portugal.

A brasileira aguardava seu voo para a Espanha, onde atualmente vive e trabalha. A situação começou quando uma mulher, acompanhante da agressora portuguesa, derrubou acidentalmente uma mala sobre o pé da vítima.

Ao reclamar da dor, a brasileira foi agredida verbalmente pela outra mulher, que a menosprezou e sugeriu que ela deveria voltar para o seu país. A vítima, que possui cidadania italiana, tentou explicar sua condição e direito de residir e trabalhar na Europa, mas a confusão prosseguiu.

No vídeo do incidente, a agressora portuguesa demonstrou comportamento agressivo, proferindo ofensas e declarações xenofóbicas, descontrolada e contida por acompanhantes.

“Pode filmar o que você quiser, pode até pôr na internet. Sua porca. Vai para a sua terra, sua porca. Sou portuguesa de raça. Você que é brasileira. Vá para a sua terra. Estão invadindo Portugal, essa raça de filha da p***”, disse a portuguesa.

Devido à necessidade de embarcar em seu voo para a Espanha, a vítima não pôde registrar um boletim de ocorrência presencial, optando por tomar as medidas legais de forma remota.

“Quero processar essa mulher, não apenas por mim, mas para evitar que ela agrida mais alguém. Ninguém merece passar por isso”, enfatizou a vítima.

Realidade recorrente

Segundo o balanço do Itamaraty, atualmente Portugal concentra a maior comunidade brasileira na Europa, com cerca de 360 mil imigrantes estimados, superando o Reino Unido, em segundo lugar, com 220 mil. Já de acordo com dados do governo português, cerca de 239 mil brasileiros residem no país europeu, compondo a maior entre as comunidades migrantes.

O fato de ter o mesmo idioma que o Brasil e apresentar altos índices de segurança e qualidade de vida têm sido alguns dos fatores que tornam Portugal um local atrativo para brasileiros. No entanto, esse interesse crescente também tem sido acompanhado de manifestações recorrentes de xenofobia, como a registrada no aeroporto na cidade do Porto, mas que também se faz presente em ambientes acadêmicos.

Outros relatos feitos a partir do vídeo expõem situações semelhantes de discriminação vividas por brasileiros em Portugal, reforçando a importância de combater atitudes xenofóbicas e racistas no país.

“Contar uma coisinha que aconteceu comigo lá: fui numa padaria tomar café e o cara percebeu pelo meu sotaque que eu era brasileira.. me colocou no fim da fila da entrega dos cafés, eu cheguei antes de todo mundo e fui a última a receber.. daí pra frente só falei em inglês no país, o problema acabou”, disse uma brasileira que vive em Portugal e que preferiu não se identificar.

“O pior é que isso acontece todo dia. Temos vivido um inferno de xenofobia e racismo”, comentou uma brasileira que reside há duas décadas em Portugal, mas que também preferiu manter o anonimato.

Manifestações de repúdio

A Casa do Brasil de Lisboa, associação fundada por imigrantes brasileiros em Portugal e que promove e reivindica de políticas igualitárias para as comunidades imigrantes no país europeu, expressou repúdio a qualquer forma de discriminação e se posicionou em solidariedade àqueles que enfrentam diariamente a violência racista e xenofoba.

“Nos últimos dias têm chegado ao nosso conhecimento diversos episódios de racismo e xenofobia em Portugal.
A Casa do Brasil de Lisboa repudia estas e todas as formas de discriminação das pessoas. Reafirmamos a nossa solidariedade e apoio às pessoas que quotidianamente vivenciam a violência racista e xenófoba. Seguimos fortes na luta para transformação e combate às desigualdades, exigindo a apuração e devida responsabilização de tais atos, assim como políticas públicas antirracistas em Portugal”, disse a associação por meio de nota nas redes sociais.

No cenário político nacional, o deputado federal Tulio Gadelha (Rede-PE) enviou um ofício ao Ministério das Relações Exteriores e apresentou um requerimento na Câmara, pedindo uma moção de repúdio do Legislativo ao ato xenófobo. O parlamentar é também relator relator da Comissão Mista sobre Migrações Internacionais e Refugiados no Congresso Nacional.

“Estamos acionando o Itamaraty para que esse caso seja apurado com urgência. Também solicitamos que a embaixada de Portugal seja acionada para se posicionarem. Vamos trabalhar pra que nenhum caso de xenofobia fique impune!”, escreveu o deputado em rede social.

A deputada federal Fernanda Melchionna (PSOL-RS) também se manifestou, expressando repúdio ao ato de xenofobia, e cobrou medidas por parte do governo português. “Que Portugal não passe pano pra criminosa que achou que vive numa terra sem lei e ofendeu uma brasileira no aeroporto. Toda minha solidariedade à vítima e meu repúdio total contra essa violência inaceitável”.

Quem também se pronunciou a respeito do ocorrido foi o ministro da Justiça, Flávio Dino, durante uma aula magna em Brasília na terça-feira (7). “Ela diz que brasileiros estão invadindo Portugal. Bom, se for isso, nós temos direito a reciprocidade, porque em 1500 eles invadiram o Brasil, está tudo de acordo”.

A resposta, no entanto, foi mal vista e criticada por integrantes da oposição do governo federal.

Publicidade

Últimas Noticías