Choro Inocente de Menino – poema de Moisés António

0
382
ONU tem chamado a atenção para a questão das crianças imigrantes. Crédito: ACNUR

Residente em Curitiba (PR), o poeta angolano Moisés Tiago António, ou simplesmente Moisés António, tem na condição de migrante uma de suas inspirações literárias.

Uma das mais recentes obras é o poema “Choro Inocente de Menino”, dedicado às crianças que ficam órfãs e desacompanhadas devido a conflitos armados no mundo todo – e muitas vezes se tornam migrantes forçadas.

No MigraMundo estão disponíveis outros dois de seus poemas: Sou Imigrante e Carta do Refugiado às Nações.

Moisés mantém ainda uma página no Facebook chamada Moisés E A Poesia, onde estes e outros poemas podem ser encontrados.

Choro Inocente de Menino

Um grito forte lançado
é um choro,
Que depois se transformou num sorriso!

Um sorriso
que o malefício roubou,
que a ganância sequestrou,
que a arrogância dos governantes egocêntricos tirou;

tirou a graça,
a paternidade. maternidade,
Reduzindo os corpos de seus pais…
às cinzas e ao nada
Fazendo o menino chorar desconsolado!

(Repito os versos de Maria de Lourdes Brandão/ Poetisa angolana)

Não existem carnes de canhão!
Eram corpos, vidas que davam e recebiam prazeres
hoje jogados nas valas transformados em carnes de canhão
ao nada, cheirando a morte!

Era choro antevendo tristeza,
após nascença!
Era sorriso agradecendo a Deus pela vida…

Que o ódio sarcástico roubou,
Que a ganância mefistofélica tirou de um menino,
Exatamente aquele que ainda não viveu…
Levando a vida de seus ente-queridos ao nada!

Choro inconsolável
Mas que pela graça,
tem ainda um Deus…
Que lhe concedeu esperança para um dia mais sorrir!

DEIXE UMA RESPOSTA

Insira seu comentário
Informe seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.