publicidade
terça-feira, abril 16, 2024

Com reflexões sobre rotina de imigrantes, filme Tudo em Todo o Lugar ao Mesmo Tempo leva 7 Oscars

Mistura de multiverso, humor e ficção científica, o longa premiado no Oscar traz reflexões diversas sobre obstáculos, contradições e sonhos de imigrantes, a partir da história de uma família chinesa nos Estados Unidos. Além disso, ainda premiou atores migrantes

O filme Tudo em Todo Lugar ao Mesmo Tempo confirmou o favoritismo e foi o grande vencedor do Oscar 2023, entregue na noite de domingo (12) em Los Angeles. Com uma mistura de multiverso, humor e ficção científica, a produção traz reflexões diversas sobre as contradições, obstáculos e sonhos de imigrantes, a partir da história de uma família chinesa que migrou para os Estados Unidos.

Ao todo, o longa-metragem venceu em 7 das 11 categorias nas quais tinha sido indicado, entre elas a de melhor filme. Também levou a melhor nos prêmios de direção e roteiro original (Daniel Kwan e Daniel Scheinert), atriz (Michelle Yeoh), montagem e ator e atriz coadjuvante (Ke Huy Quan e Jamie Lee Curtis).

No filme, Evelyn (Michelle Yeoh) é uma imigrante chinesa que administra junto ao marido, Waymond (Ke Huy Quan), uma lavanderia com declarações de impostos duvidosas nos Estados Unidos. Sua rotina caótica e estressante se torna ainda pior na época de prestar contas com a funcionária pública Deirdre (Jamie Lee Curtis) e seu temperamento frio afasta cada vez mais seu companheiro, que sequer recebe atenção para falar sobre o divórcio que quer pedir, e sua filha Joy (Stephanie Hsu).

A vida frustrada da chinesa ganha uma nova direção quando seu marido de um universo paralelo vem em busca de ajuda para derrotar uma vilã que coloca a humanidade em risco.

Assim que Waymond do universo Alfa faz contato com a Evelyn deste mundo, o homem deixa claro que já conheceu diversas versões da esposa, todas bem sucedidas e bem resolvidas, mas que falharam na missão de derrotar a vilã Jobu. A personagem deste mundo, frustrada pelo que podia ter sido e fracassada em tudo o que é, pode ser única a conseguir resolver a situação.

Leia mais no texto do MigraMundo sobre o longa, que agora entra para a história como um dos premiados no Oscar.

Atores premiados

Além do longa em si, as referências à migração também se fizeram presentes ao longo da cerimônia do Oscar.

Nascido no Vietnã e radicado nos Estados Unidos, Quan lembrou da própria trajetória como migrante em situação de refúgio ao agradecer pelo prêmio. O discurso foi considerado um dos momentos mais emocionantes da cerimônia.

“Minha jornada começou num barco. Acabei num campo de refugiados [em Hong Kong]… E, de alguma forma, acabei aqui. Dizem que histórias como essa só acontecem em filmes. Não acredito que isso está acontecendo comigo”.

Nascida na Malásia e de família chinesa, Michelle Yeoh se tornou a primeira asiática e apenas a segunda atriz não branca a levar o prêmio de melhor atriz na história do Oscar – a primeira foi Halle Berry, negra, em 2001 com A Última Ceia. Aos 60 anos, ela deixou um recado contra o etarismo.

“Mulheres, nunca deixem ninguém dizer que a sua melhor fase já passou”

Além disso, outra característica marcante dos atores premiados se deu pelo fato de serem todos nomes que estavam fora do radar do cinema nos últimos tempos. Quan, por exemplo, passou mais de 30 anos sem atuar em filmes antes de Tudo em Todo Lugar ao Mesmo Tempo.

Publicidade

Últimas Noticías