Dois lados da migração altamente qualificada: o caso da África do Sul

1
31
Bandeira da África do Sul, país que tem o apelido de "nação arco-íris". Crédito: Rodrigo Borges Delfim/MigraMundo - dez.2014

Situação também pode ser notada em outros países que sofrem com a chamada “brain drain”, ou “fuga de cérebros”

Por Debora Draghi
Em Curitiba (PR)

A migração é um fenômeno social e humano, mas também um componente da alocação de fatores de produção. Como exemplo, pode-se mencionar a fuga de cérebros, ou em inglês, “brain drain”.

Nesse caso, a migração mina ainda mais o desenvolvimento dos países de origem, removendo pessoas que poderiam contribuir para o desenvolvimento. Em contrapartida, nos países receptores, ocorre o “desenvolvimento a partir do subdesenvolvimento”. A migração compromete o progresso nos países de origem, mas por outro lado envia remessas aos que ficaram.

Os emigrantes que possuem mais capital, tanto financeiro quanto intelectual, vão para locais escassos em outros capitais, onde suas habilidades podem aproveitar os salários mais altos. De acordo com Nahm e Tani:

“As questões sobre a inclusão social, a participação e o sucesso dos imigrantes em última análise dependem de quão eficiente é o mercado de trabalho de um país ao conceder acesso a oportunidades e recompensar o capital humano fornecido. Uma política de imigração baseada em habilidades pode contribuir para o bom funcionamento do mercado de trabalho doméstico, mas não pode, por si só, resolver problemas relacionados com a utilização mais eficiente da mão-de-obra qualificada e os recursos disponíveis. (2015) ”

Trabalhadores altamente qualificados de países em desenvolvimento e sua mobilidade internacional são bastante atraentes para países capazes de fornecer os recursos que os migrantes querem, mas não podem encontrar no país de origem. Os altamente qualificados que não recebem qualquer apoio de seu Estado ou que não encontram as mesmas oportunidades tendem a migrar com a finalidade de encontrar melhores condições. No país de origem, eles não são uma fonte que poderia ser usada. Em vez disso, no país receptor (quando eles vêm de locais de recursos limitados), têm a chance de desenvolver suas habilidades e ser melhor pagos. Como exemplo, pode-se citar os sul africanos, que acabam migrando para países que oferecem mais oportunidades.

Um exemplo dessa dinâmica pode ser notado na África do Sul. A mobilidade de sul-africanos dirige-se a países que podem contribuir para o progresso em seus empregos e também para um desenvolvimento no país de origem através das remessas, com foco na migração de trabalhadores altamente qualificados. Entre eles estão locais “tradicionais” como Canadá, Reino Unido ou Austrália, e também “destinos mais novos”, como Dubai – uma das cidades mias multiculturais do mundo. As cidades globais acabam sendo polos de inovação, multiculturalidade e produção altamente qualificada.

Bandeira da África do Sul, país que tem o apelido de “nação arco-íris”.
Crédito: Rodrigo Borges Delfim/MigraMundo – dez.2014

Desse modo, esses trabalhadores preenchem as lacunas trabalhistas se as pessoas nos países receptores não tiveram acesso à educação e, portanto, não conseguem competir no mesmo nível de qualificação. Ao mesmo tempo, o que é uma fuga de cérebros do país de origem, é um ganho de cérebro para o país receptor. Neste caso particular, a fuga de cérebros tem um enorme impacto no país de origem, pois impede que esta nação atinja um desenvolvimento maior.

Segundo a OCDE:

“A” fuga de cérebros “é uma questão altamente sensível na sociedade sul-africana contemporânea. Este problema é particularmente agudo hoje desde que o país escolheu, com o fim do apartheid e a introdução de uma política de abertura, para enfrentar a concorrência internacional e produzir, para exportação em particular, bens e serviços que são altamente intensivos em conhecimento.

Numa situação em que a inovação tecnológica constitui um pilar estratégico do desenvolvimento nacional, o trabalho qualificado desempenha um papel fundamental. De acordo com algumas pesquisas parciais, a insegurança crescente parece ser uma das principais causas das partidas. O fim da educação privilegiada e a falta de perspectivas, a depreciação da moeda nacional, o rand e uma situação econômica lenta são apenas algumas das razões dadas. “(2001)

Por mais que as remessas sejam enviadas, os migrantes não podem implementar mudanças estruturais necessárias para que o desenvolvimento desapareça. Por outro lado, os migrantes podem acelerar o desenvolvimento se os processos de desenvolvimento já estiverem em vigor, e esse desenvolvimento pode reduzir a fuga de cérebros.

Quando a “fuga de cérebros” é realizada por profissionais da saúde, agrava ainda mais os problemas da saúde pública nos países subdesenvolvidos próximos a África do Sul, que lutam contra epidemias, como tuberculose, malária e vírus do HIV.

Migrantes altamente qualificados, por outro lado, desestruturam a economia local se tiverem seus estudos apoiados pelo governo local e depois buscarem lugares internacionais onde as condições de trabalho são melhores. De acordo com Thomas Straubhaar e Achim Wolter:

“Empregados com o capital humano correspondente migram para ajustar uma falta temporária de funcionários qualificados” .(1997)

Por outro lado, a fuga de cérebros desequilibra a economia local ao ir para o exterior, mas também há um ganho quando o migrante envia remessas e volta com mais conhecimento.

Quando os sul-africanos se mudam, as redes sociais e a família geralmente fornecem a ajuda necessária no país de destino. Quando não há apoio do governo, é difícil para que esses emigrantes decidam retornar. Sobre isso, Nir Cohen diz:

“Iniciativas mais recentes utilizaram uma trajetória de meritocracia que destaca a contribuição econômica potencial do repatriado (individual), a satisfação profissional, bem como a classe média e considerações familiares de” qualidade de vida “. (2013)

Portanto, para que a África do Sul mantenha seus trabalhadores altamente qualificados, deverá pensar em uma melhoria no bem-estar e segurança, ao mesmo tempo que proporcione aos funcionários um ambiente de trabalho com condições adequadas , afim de impedir que essas pessoas emigrem.

Referências:

Cohen, N. (2013) From nation to profession: Israeli state strategy toward highly-skilled return migration, 1949 – 2012. Journal of Historical Geography. http://www.sciencedirect.com.proxy.uba.uva.nl:2048/science/article/pii/S030574881300056X

Nahm, D & Tani, M. (2015) Skilled immigrants’ contribution to productive efficiency. Journal of the Asia Pacific Economy. http://www-tandfonline-com.proxy.uba.uva.nl:2048/doi/pdf/10.1080/13547860.2015.1045325

Organization for Economic Co-Operation and Development (2001) International Mobility of the Highly Skilled. http://www.oecd-ilibrary.org.proxy.uba.uva.nl:2048/docserver/download/9202011e.pdfexpires=1447143285&id=id&accname=ocid56024160&checksum=811A7D5C1F7F0E274D16F407B7027D91

Straubhaar, T & Wolter, A. (1997) Globalization, Internal Labour Markets and the Migration of the Highly Skilled. http://download.springer.com.proxy.uba.uva.nl:2048/static/pdf/689/art%253A10.1007%252FBF02928431.pdf?originUrl=http%3A%2F%2Flink.springer.com%2Farticle%2F10.1007%2FBF02928431&token2=exp=1447140960~acl=%2Fstatic%2Fpdf%2F689%2Fart%25253A10.1007%25252FBF02928431.pdf%3ForiginUrl%3Dhttp%253A%252F%252Flink.springer.com%252Farticle%252F10.1007%252FBF02928431*~hmac=abda7cdd702f460f5a59391a182659449f62fb53d202c49f4545342091a4bb9f

1 COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA

Insira seu comentário
Informe seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.