”Memória não é o forte do italiano”, diz cineasta sobre refugiados de ontem e hoje

0
141
A cidade de Reggio Calabria (Itália), às margens do mar Mediterrâneo. País tem fechado seus portos para barcos de resgate humanitários. Crédito: Victória Brotto/MigraMundo

Nanni Moretti falou sobre o documentário ”Santiago, Itália”, que funciona como crítica à atual sociedade italiana e seu governo

Por Victória Brotto
De Estrasburgo (França)

”Essa é uma das belas histórias italianas. ” É o que disse o cineasta italiano Nanni Moretti, em entrevista ao jornal Le Monde sobre o seu novo documentário, “Santiago, Itália”.

Nele, Moretti conta sobre os tempos de ”uma Itália solidária”, quando, nos anos setenta, a embaixada italiana em Santiago (Chile) abrigou centenas de refugiados do regime militar de Pinochet. ”Depois, esses homens e mulheres seriam acolhidos pela Itália”, escreve o jornalista francês Jacques Mandelbaum.

Em entrevista publicada no primeiro caderno da edição do Le Monde desta quarta (27), Moretti compara a Itália solidária de ontem com a de hoje, ” hipnotizada pela imigração”.

Edição do jornal francês Le Monde desta quarta (27), que publicou entrevista com o cineasta italiano.
Crédito: Victória Brotto/MigraMundo

”Eu temo que muitos italianos hoje estejam hipnotizados pela imigração. É um medo que os tomou, um medo instigado pelo líder da Liga do Norte, Matteo Salvini.”

Questionado se ele pensava em representar Salvini em algum filme futuro, como o fez com Berlusconi em ”Le Caiman”, ele rebateu: ”Não, não, não. Está além de minhas forças.”

Liderado pelo político de extrema-direita Matteo Salvini, o ministério do Interior italiano têm sido o centro das atenções do noticiário intra e extra-muros na Itália. Isso porque Salvini declarou os portos fechados a novos imigrantes, passando um novo decreto sobre segurança nacional e imigração no Parlamento europeu, em novembro passado. ” É mais um passo para fazer da Itália um país mais seguro e independente”, afirmou, criticando também a falta de cooperação europeia e o fracasso do Tratado de Dublin.

Barcos com migrantes foram impedidos de desembarcar na Itália, por decreto do ministro do Interior italiano. Crédito: Marina Militare

Nos últimos dois anos a Itália fechou os seus principais portos, como o de Bari, e Régio Calábria, para o acolhimento de migrantes resgatados no mar Mediterrâneo, impedindo que barcos humanitários desembarcassem em suas praias.

Sobre os possíveis refugiados fugindo do governo chileno de Pinochet, a Itália de 1973 não dera diretrizes claras aos embaixadores situados em Santiago, Piero de Masi e Roberto Toscano. Eles, por iniciativa própria, decidiriam abrir as portas da embaixada para o refugiados do regime. Tempos depois, 600 refugiados que viviam dentro da embaixada seriam acolhidos pela Itália.

”Essa história do passado traz um eco engraçado para a atual situação politica italiana…”, comenta o jornalista do Le Monde ao cineasta que contou a história em seu documentário.

”( A história do filme) é um exemplo de uma bela história de solidariedade, de curiosidade pelo outro e de acolhimento generoso, quando que hoje, na sociedade italiana, grande parte dos italianos escolheram algo que vai no sentido oposto”, disse Moretti.

Ao ser perguntado como ele poderia explicar a solidariedade italiana frente aos chilenos nos anos 70 quando a Itália mesmo passava por uma grave crise política, Moretti afirmou que não havia apenas terroristmo de extrema-direita e extrema-esquerda na Itália, nessa época. ” Existia também um movimento poderoso de solidariedade entre as pessoas”, respondeu. E acrescentou: ”É… mas esses tempos nos parecem distantes hoje…”.

Para Moretti, o povo italiano foi o povo mais solidário para com os chilenos de todos os povos europeus na época da ditatura de Pinochet. Porém, o quadro mudou: ”Você sabe, a memória não é o ponto forte do povo italiano…”, afirmou o cineasta, que diz que o seu filme foi bem recepcionado pelos italianos, principalmente pelos jovens. ”Havia bastante emoção na sala, tristeza. Mas o que predominou foi um sentimento de esperança.”

Mas o que o intriga, sobre a recepção de seu filme, são os rótulos. ”Nós vivemos em tempos tão estranhos hoje na Itália que fazer um filme simplesmente humanista ganha um rótulo de militarismo político.”

DEIXE UMA RESPOSTA

Insira seu comentário
Informe seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.