Mesclando união e diversidade, Marcha dos Imigrantes convida a superar fronteiras

2
191

Por Rodrigo Borges Delfim
Twitter: @rodrigobdelfim

“Fronteiras Livres, Não à Discriminação”. Foi com esta mensagem que a Marcha dos Imigrantes caminhou pelas ruas do centro de São Paulo neste domingo (29). Fronteiras essas que, pelo menos durante a manifestação, pareciam ignoradas e superadas.

Ao menos 300 pessoas participaram da manifestação, mas outras estimativas apontam para em torno de 600 participantes. Entre eles, integrantes de uma ampla gama de grupos culturais e religiosos, nacionalidades, instituições de apoio ao migrante, entidades de direitos humanos, pessoas independentes, entre outros. Uma diversidade unida em torno de reivindicações que visam a promoção da dignidade humana, independente da origem, crença, gênero ou idioma.

Diversidade foi uma das marcas da Marcha dos Imigrantes deste ano. Crédito: Rodrigo Borges Delfim/MigraMundo
Diversidade foi uma das marcas da Marcha dos Imigrantes deste ano.
Crédito: Rodrigo Borges Delfim/MigraMundo

Ao longo da marcha, que foi da Praça da República à Catedral da Sé, era possível ver lado a lado bandeiras de povos distantes geográfica e culturalmente entre si, como República Democrática do Congo e Bolívia, mas unidos em torno das pautas levadas à rua pelo ato.

“Temos muitos povos aqui representados hoje na Marcha por um mundo sem fronteiras e sem discriminação” lembrou Rosana Gaeta, funcionária da Secretaria Municipal de Saúde de São Paulo e voluntária no CAMI (Centro de Apoio e Pastoral do Migrante), um dos movimentos que organizam a manifestação.

Grupo levou cerca que simbolizou as fronteiras a serem superadas pelo mundo. Crédito: Rodrigo Borges Delfim/MigraMundo
Grupo levou cerca que simbolizou as fronteiras a serem superadas pelo mundo.
Crédito: Rodrigo Borges Delfim/MigraMundo

Outro exemplo da diversidade e da mensagem de tolerância foi a participação do grupo Soul da Paz, que abriu os trabalhos da Marcha. Formada por cristãos, muçulmanos, budistas, hinduístas e representantes de outras crenças, a banda tem em seu repertório canções que pregam a paz e a busca pelos denominadores comuns na luta por justiça e paz para o mundo.

“Isto é para lembrar que as religiões também apoiam e estão a serviço da inclusão social e da dignidade”, lembrou Roque Patussi, diretor do CAMI, sobre a participação do grupo. E ao longo do percurso a Marcha também contou com a adesão de um grupo de umbandistas, expressando solidariedade em especial às comunidades africanas. “Assim como vocês, queremos apenas ser aceitos como somos”, disse um dos integrantes do grupo durante o ato.

Grupo Soul da Paz, que abriu os trabalhos da Marcha. Crédito: Rodrigo Borges Delfim/MigraMundo
Grupo Soul da Paz, que abriu os trabalhos da Marcha.
Crédito: Rodrigo Borges Delfim/MigraMundo

A exemplo de 2014, a Marcha deste ano contou com o Bloco das Mulheres, que tanto reforçou as pautas gerais do ato como chamou a atenção para as exigências femininas da igualdade de gênero.

“Foi bem bacana o bloco e conseguimos, do ano passado para cá, ter uma força mais unida. Teve bem mais mulheres imigrantes no bloco esse ano do que em 2014 e acho que conseguimos chamar mais a atenção para a marcha”, analisa a militante chilena Andrea Carabantes Soto, integrante da Equipe de Base Warmis e uma das organizadoras do bloco.

Com cantos e tambores, Bloco das Mulheres foi um dos destaques da Marcha. Crédito: Rodrigo Borges Delfim/MigraMundo
Com cantos e tambores, Bloco das Mulheres foi um dos destaques da Marcha.
Crédito: Rodrigo Borges Delfim/MigraMundo

“Não estamos sozinhos”

Eventos como a Marcha dos Imigrantes ganham ainda mais importância devido a um contexto global que vivencia um crescimento da xenofobia e do preconceito contra migrantes, refugiados e determinadas crenças, raças e gêneros.

“Estamos vendo uma sociedade cada vez mais reacionária, retrógrada. Mas cada vez que participo desse tipo de manifestação eu vejo que não estou sozinha e que tem mais gente pensa como eu, que as fronteiras são políticas, econômicas, mas não deveriam ser humanas”, opina Mariana Meidani, descendente de gregos e integrante do grupo Zorbás, de dança folclórica grega. Ela apenas sentiu falta da presença de sírios e haitianos na manifestação, duas das nacionalidades que mais aparecem no noticiário brasileiro sobre migrações.

Bolivianos e congoleses foram duas das comunidades presentes na Marcha. Crédito: Rodrigo Borges Delfim
Bolivianos e congoleses foram duas das comunidades presentes na Marcha.
Crédito: Rodrigo Borges Delfim

Pela primeira vez na Marcha, o boliviano Eduardo Schwartzberg acredita que ela mostra a cara dos migrantes, que eles moram em São Paulo e querem direitos. “Acho que ações como essa mostram que os migrantes também contribuem com o Brasil, que querem e devem ter obrigações como direitos”.

A visibilidade também foi lembrada pelo jornalista Christo Kamanda, da República Democrática do Congo. “Ninguém escolhe onde nasce. o mundo inteiro. O Brasil tem de ser um lugar de todos, assim como também deveria ser a Europa, Oceania, a Ásia. Para mim é importante é dar essa resposta aos políticos, de que o mundo pertence a todos nós”.

Umbandistas brasileiros expressam solidariedade aos grupos africanos. Crédito: Rodrigo Borges Delfim/MigraMundo
Umbandistas brasileiros expressam solidariedade aos grupos africanos.
Crédito: Rodrigo Borges Delfim/MigraMundo

Protesto contra edital

Durante a Marcha dos Imigrantes também foram coletadas assinaturas em apoio à carta aberta elaborada por grupos culturais migrantes e demais parceiros contra o edital divulgado na última semana pela Secretaria Municipal de Cultura. Intitulado “Chamamento de Projetos Culturais voltados aos grupos étnicos imigrantes em condição de Refugiados no Município de São Paulo”, o edital é criticado por deixar de fora grande parte dos grupos e coletivos que podem desenvolver ou mesmo que já tocam ações na cidade.

Entre os assinantes estão coletivos culturais, imigrantes e também brasileiros, associações e organizações recreativas, culturais, educativas e assistenciais, e imigrantes a título pessoal: Latam Esquad, Saya Afro Boliviano, UMSPB – Associação Malinesa São Paulo -Brasil, Acuarela Paraguaya, Visto Permanente, Kantuta Bolivia, Associação Salvador Allende, Muxima na Diáspora, Ecos Latinos, Sefras-CRAI, Projeto Si Yo Puedo, Microcine Migrante, Canto Libre, Companhia Las Tetas Teatro, Casa das Áfricas, Educar para o Mundo, MigraMundo, Círculo Palmarino, Warmis, CAMI, Mujeres Tejiendo, Abraço Cultural, PAL – Presença América Latina, CPI, Catorze de Maio, Quisqueya Brasil, Núcleo MIG.EDH, CDHIC, ERLA e Info-Migrants.sp.

O documento continua aberto a adesões ao longo da semana e deve ser entregue na sexta-feira (04) à Secretaria Municipal de Cultura.

Leia também: 

Revista Fórum – Diferentes povos erguendo a mesma bandeira, por Pamela Vespoli

 

2 COMENTÁRIOS

  1. muy pero muy poca gente, solo los bolivianos a qui en São Paulo somos mas de 400 mil, y cuantos bolivianos habia unos 100 bolivianos una pena , que esta marcha cada año esta mas debil mas vacia.r

DEIXE UMA RESPOSTA

Insira seu comentário
Informe seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.