Novo centro amplia oferta de serviços para migrantes e refugiados em Roraima

0
182
Novo centro funciona no Malocão Cultural, na UFRR, em Boa Vista. Crédito: Rede Amazônica Roraima/Reprodução

Local é administrado em conjunto por ACNUR e UFRR e se soma a outros espaços já criados no Estado em apoio à população migrante

Por Rodrigo Delfim
Em São Paulo (SP)

Migrantes que vivem em Roraima passaram a contar com um novo ponto de apoio desde a última sexta-feira (20). É o Centro de Referência para Refugiados e Migrantes, inaugurado no prédio do Malocão Cultural no campus da UFRR (Universidade Federal de Roraima), região norte de Boa Vista.

A administração será dividida entre a UFRR, que cedeu parte da área cultural da universidade para o novo centro, e o ACNUR (Alto Comissariado da ONU para Refugiados), que financiou a reforma do prédio. O local vai funcionar de segunda a sexta, das 8h às 17h, tem capacidade para atender até 200 pessoas por dia e se soma a outros espaços criados nos últimos meses de apoio aos migrantes em Roraima.

Clique aqui para assinar a Newsletter do MigraMundo

Com um total de seis salas, o novo espaço vai oferecer um leque amplo de serviços que vão de instruções e encaminhamento para solicitação de refúgio, residência temporária e interiorização, emissão de carteiras de trabalho, orientações sobre direitos e deveres, entre outros. Atividades culturais e esportivas também deverão ser oferecidas no local, com o intuito de facilitar a integração entre migrantes e brasileiros.

O trabalho deve ser realizado de forma intersetorial com os serviços dos governos federal, estadual e municipal, e também do Poder Judiciário, Ministério Público e Defensoria Pública. De acordo com o ACNUR, o centro poderá ser utilizado também por outras agências do Sistema ONU que venham se estabelecer em Roraima – além do ACNUR, já estão no Estado a OIM (Organização Internacional para as Migrações) e a UNFPA (Fundo de População das Nações Unidas).

Novo centro funciona no Malocão Cultural, na UFRR, em Boa Vista.
Crédito: Rede Amazônica Roraima/Reprodução

“É um atendimento múltiplo que vai ajudar o migrante especialmente em questões sociais e documentais, o que é muito interessante”, destaca Cleyton Abreu, coordenador do SJMR (Serviço Jesuíta para Migrantes e Refugiados) em Roraima, sobre a inauguração do novo espaço.

Uma curiosidade do novo centro é que uma das salas vai abrigar um serviço de telefonia gratuita (limitada a dez minutos) para os migrantes, por meio de uma parceria com a ONG Telecom Sem Fronteiras.

Segundo o último relatório do Conare (Comitê Nacional para Refugiados), 33.866 pessoas pediram refúgio no Brasil em 2017, sendo que 17.865 pedidos foram de venezuelanos. De acordo com a Polícia Federal, cerca de 16 mil vistos de residência já foram emitidos pelo governo brasileiro para cidadãos venezuelanos.

Serviços complementares

O novo centro gerido por ACNUR e UFRR deve ajudar outros já existentes no estado, criados por entidades não-governamentais e da sociedade civil, seja reforçando ou complementando os serviços já existentes.

Um desses espaços é o IMDH Solidário, que tem atuação focada no atendimento a mulheres e crianças migrantes. Ele é administrado pelo IMDH (Instituto Migrações e Direitos Humanos), em parceria com a Diocese de Roraima, e funciona na Paróquia Nossa Senhora da Consolata, no bairro São Vicente, em Boa Vista.

“O IMDH, que atua em Roraima desde o início de 2017, tem colaborado na instalação de vários serviços, tanto em Pacaraima quanto em Boa Vista. Nestas ações, sempre constatamos a necessidade urgente de um serviço de atenção a Mulheres e Crianças”, aponta a irmã Rosita Milesi, diretora do IMDH.

Mulheres no IMDH Solidario, em Boa Vista (RR). As solicitações de são diversas e vão de documentação e apoio financeiro a suporte psicológico.
Crédito: Divulgação/IMDH

Em um mês, de acordo com irmã Rosita, o IMDH Solidário atendeu 320 pessoas para serviços diversos como apoio a solicitações de refúgio e documentos, informações voltadas para mulheres e crianças, pedidos de apoio para obtenção de enprego, entre outros. Uma demanda que serve de amosta para o desafio que agora passa a ser enfrentado também pelo novo centro de referência.

“É extremamente importante o aumento de pontos de atendimento ao migrante em Roraima. Recebemos um grande número de migrantes querendo atendimento e quanto mais nós tivermos instituições e centros de atendimento, melhor distribuída essa demanda será”, completa Cleyton, do SJMR, que também conta com serviços de orientação a migrantes e refugiados no Estado.

Problema dos abrigos

O novo centro, no entanto não conta com vagas de abrigamento. Roraima já tem seis abrigos – sendo cinco em Boa Vista e um em Pacaraima – que todos eles estão superlotados ou próximos de alcançar a capacidade total. Juntos, possuem capacidade para 2.200 migrantes, mas atualmente recebem 2.722.

Com a falta de espaço nos abrigos, muitos venezuelanos acabam vivendo em acampamentos improvisados em praças e ruas e Boa Vista. Com a chegada do período chuvoso em Roraima, que vai de abril a setembro, a situação tende a ficar ainda mais precária.

DEIXE UMA RESPOSTA

Insira seu comentário
Informe seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.