Ouvindo e dando voz a refugiadas e egressas

0
38

Em 2009, ainda como estudantes do terceiro ano de Jornalismo da Faculdade Cásper Líbero (São Paulo), Karina Gomes e Paulo Scheuer gravaram o programa de rádio “Refugiadas e Egressas: Saudades da Terra, Recomeço no Brasil”. Foram apenas 20 dias entre o início das gravações e a finalização da reportagem, mas a dedicação valeu a pena. Ela foi a vencedora do Prêmio CBN de Jornalismo Universitário, naquele mesmo ano.

A reportagem pode ser ouvida neste link abaixo. É possível ainda ter acesso a um making off gravado com a dupla sobre o programa. A lista completa com todos os vencedores pode ser acessada aqui.

Vencedores do Prêmio CBN de Jornalismo Universitário de 2009

A reportagem foi feita com base nos depoimentos de mulheres refugiadas e estrangeiras egressas do sistema prisional na Casa de Acolhida Nossa Senhora Aparecida, então localizada no bairro da Liberdade, região central de São Paulo (atualmente está no bairro da Penha, zona leste de São Paulo. Muitas mulheres escolheram o canto como forma de espantar o sofrimento causado pelos traumas sofridos na terra natal e também no Brasil, além de amenizar a separação em relação aos entes queridos.

Fachada da antiga sede da Casa de Acolhida Nossa Senhora Aparecida, onde o documentário foi gravado. Crédito: Karina Gomes
Fachada da antiga sede da Casa de Acolhida Nossa Senhora Aparecida, onde o documentário foi gravado.
Crédito: Karina Gomes

Tais cantos, que expressavam sentimentos de dor e esperança para aquelas mulheres, acabaram ditando o andamento da reportagem e tornando-se seu grande diferencial. “Foi um contato humano, muito sensível com aquelas mulheres. Queríamos passar essa emoção na reportagem. E até hoje eu ouço as vozes daquelas mulheres e procuro apresentar uma dimensão humana nas reportagens que faço”, lembra Karina, que cita ainda a emoção notada nos próprios jurados do prêmio ao ouvirem a reportagem.

Documentário e outras matérias derivadas

Karina ressalta que muitos relatos emocionantes ficaram de fora do programa para a CBN, mas alguns deles acabaram aproveitados por ela e Paulo, desta vez ao lado de Helton Simões Gomes, no documentário “Casarão 247 – Saudades da Terra, Recomeço no Brasil”. A produção foi o Trabalho de Conclusão do Curso de Jornalismo do trio.

O documentário sofreu um grande baque em suas gravações devido a uma incursão da Polícia Federal (PF) dentro da Casa de Acolhida, atrás de egressas supostamente fugitivas da Justiça. A partir desse episódio, muitas mulheres associaram a ação da PF à presença da câmera no local para o documentário, dificultando a coleta de novos depoimentos.

Karina Gomes, no lançamento do documentário no Museu da Imagem e do Som, em São Paulo Crédito: Karina Gomes
Karina Gomes, no lançamento do documentário no Museu da Imagem e do Som, em São Paulo
Crédito: Arquivo pessoal Karina Gomes

A saída encontrada pelo trio foi utilizar áudios colhidos durante as gravações para o programa na rádio CBN. Com essa medida emergencial, o documentário ganhou forma final e foi aprovado pela banca de avaliadores do TCC, além de ter sido lançado publicamente em março de 2012, durante o festival Curta MIS. A produção pode ser visto no YouTube, onde está dividido em duas partes.

[youtube=http://www.youtube.com/watch?v=jtfRD9sSJA4]

[youtube=http://www.youtube.com/watch?v=TbykdWsXRd0]

O interesse de Karina pelo tema não terminou com o programa de rádio e o documentário. Depois da faculdade, começou a trabalhar na rádio CBN e atualmente está fazendo um estágio na redação brasileira da emissora pública alemã Deutsche Welle. Lá, também fez matérias sobre refugiados que chegam ao Brasil para o programa Contraste, série focada em assuntos de política e Direitos Humanos, questões de desenvolvimento e meio ambiente, com destaque para a Alemanha e países lusófonos.

Sobre os demais integrantes das produções, Helton atualmente trabalha no portal G1. Já Paulo Scheuer virou arquiteto e edita uma revista de arquitetura.

DEIXE UMA RESPOSTA

Insira seu comentário
Informe seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.