UNILAB sedia seminário internacional sobre migrações africanas no Ceará

0
540

Reunindo duas atividades acadêmicas convergentes, a Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira (UNILAB) sedia nos dias 17 e 18 de setembro de 2015 o IX Seminário de Mobilidade Humana e o I Seminário Internacional Migrações e Diásporas Africanas.

As atividades ocorrerão em Redenção (CE), localizada a cerca de 70 km da capital, Fortaleza. As inscrições podem ser feitas no link abaixo:

https://docs.google.com/forms/d/12I7cwN3VGMGuk2nQaUM553cgHYEKakit8a3pTEXGd40/viewform

O seminário tem o objetivo de contribuir para a concretização da missão institucional da Unilab, referente a produção e difusão de conhecimentos e princípios que sustentam a cooperação internacional solidária entre Brasil e África. O evento também quer criar um espaço de discussões acadêmicas sobre o cenário nacional e internacional das migrações para se pensar as políticas públicas que favorecem os/as imigrantes no mundo e no Brasil e refletir sobre os direitos de pessoas em processos de mobilidade: migrantes, refugiados, apátridas, vítimas de tráfico de pessoas e estudantes internacionais.

unnamed

O Seminário terá também 10 grupos de trabalho ligado a diversos temas. Veja abaixo quais serão:

GT 1: Diáspora africana e cooperação internacional Brasil-África

Nesse GT pretende-se discutir as relações entre políticas de cooperação internacional do Brasil junto com os países do Sul, especialmente os africanos.
Coordenação: Bas´Ilele Malomalo (Unilab) e Ricardino Teixeira (Unilab)

GT 2: Mobilidade humana, urbana e cidadania

A mobilidade é um conceito que pode ser abordado de diferentes perspectivas e cada uma das delineações possíveis nos conduzem a uma acepção diferente da realidade.
Coordenação: Paolo Parise (Missão Paz) e Carlos Henrique (Unilab)

GT 3: Experiências, movimentos e associações dos/para imigrantes

Migração não é somente uma experiência humana marcada pela experiência do sofrimento e a impotência de ver seus direitos negados pelo outro, mas constitui também um momento de mobilizações individuais e coletivas.
Coordenação: Irmã Eleia Scariot (MSCS) e Ricardo Djú (Pastoral do Migrante)

GT 4: Educação, migração estudantil, políticas públicas e institucionais

A educação tem sido importante e decisivo vetor impulsionador de migração e/ou deslocamento estudantil da juventude no mundo, especialmente na busca de ensino superior. O processo de globalização impactou substantivamente nas universidades, inclusive revestindo processos de internacionalização como fator de competitividade.
Coordenação: Carlos Subuhana (Unilab) e Jacqueline Freire (Unilab)

GT 5: Direitos humanos, refúgio e migrações

Esse GT quer proporcionar um espaço de discussões sobre os imigrantes que vivem em situações de extrema vulnerabilidade, homens, mulheres e crianças que se tornaram refugiados, indocumentados, exilados políticos ou são vítimas de tráficos de seres humanos ou do trabalho escravo.
Coordenação: Lívia Xerez (NETP/SEJUS); Cleyton Borges (UNEafro Brasil-SP)

GT 6: Migração, gênero e sexualidade

As migrações nacionais e internacionais constituem fenômenos importantes na atualidade, afetando quase todas as sociedades contemporâneas, com suas distintas dimensões: mobilidade de refugiados, de trabalhadores, de estudantes e de vítimas das mudanças climáticas, afetando cada vez mais as mulheres, num fenômeno conhecido como feminização da migração.
Coordenação: Ercílio Langa (UFC, IDDAB); Violeta Holanda (Unilab) e Victor Macedo (Unilab)

GT 7: Migração, diáspora africana e literatura

A relação entre arte e cultura é fortemente marcada, em muitas expressões estéticas, dentre elas o cinema e a literatura, por elementos inseparáveis que são a migração e a violência.
Coordenação: Izabel Cristina dos Santos Teixeira (Unilab)

GT 8: Migrações, mídias sociais e arte afro-diaspórica

Considerando que as minorias étnicas mantêm forte “identificação associativa” com culturas de origem, e que, na diáspora, as identidades se tornam múltiplas, este GT se propõe a ser um espaço acadêmico para apresentação e debate sobre as questões relativas à criação artística no contexto da diáspora africana.
Coordenação: Ivan Maia(Unilab), Francisca Rosália Silva Menezes (Unilab) e José Sérgio Amancio de Moura (Unilab)

GT 9: Migrações, racismo, antirracismo e educação

A proposta deste GT é, a partir da Educação das Relações Étnico-Raciais, refletir sobre migrações, racismo e antirracismo na educação, trazendo à baila as dimensões políticas, culturais e sociais do racismo e desigualdades, perpassando pela escola na perpetuação e superação destas dimensões.
Coordenação: Evaldo Ribeiro (Unilab) e Elisangela André (Unilab)

GT 10: História, migração e trabalhadores

Migrações, mas também emigrações e, então, imigrações, definem, de pontos de vista diversos, a história e a trajetória de contingentes importantes da população, em cada período da história deste país.
Coordenação: Franck Ribard (UFC), Edson Holanda (Unilab) e Silviana Fernandez Mariz (Unilab)

Mais informações estão disponíveis abaixo:

http://www.unilab.edu.br/migracoesafricanas/

Sobre a UNILAB

A Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira (Unilab) é uma instituição pública, criada em 2010 pelo governo federal e baseada nos princípios de cooperação solidária.

Nos cursos presenciais de graduação a instituição possui 2.176 assim divididos por nacionalidade: Brasil: 1.526, Angola: 46, Cabo Verde: 77, Guiné-Bissau: 386, Moçambique: 18, São Tomé e Príncipe: 53, Timor Leste: 70.

A UNILAB tem como objetivo ministrar ensino superior, desenvolver pesquisas nas diversas áreas de conhecimento e promover a extensão universitária, tendo como missão institucional específica formar recursos humanos para contribuir com a integração entre o Brasil e os demais países membros da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa – CPLP, especialmente os países africanos, bem como promover o desenvolvimento regional e o intercâmbio cultural, científico e educacional.

As atividades administrativas e acadêmicas da UNILAB se concentram nos Estados do Ceará e da Bahia. No Ceará, a universidade conta com unidades nos municípios de Redenção e Acarape. Na Bahia, a instituição está presente no município de São Francisco do Conde.

DEIXE UMA RESPOSTA

Insira seu comentário
Informe seu nome aqui