Ato no centro de São Paulo reforça a união como ferramenta para enfrentar o tráfico humano

0
401

Quem passou pelo Pátio do Colégio, no centro de São Paulo, no começo da tarde desta quinta-feira (30), pode acompanhar uma movimentação diferente junto ao Marco da Paz instalado na praça. Era uma apresentação da banda Soul da Paz, formada por líderes de diversas religiões. Em comum, além da mensagem de paz nas letras das canções, um clamor pelo respeito à vida humana – transformada em mercadoria pelo tráfico de pessoas.

A ação foi articulada pelo Núcleo de Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas (NETP) da Secretaria de Justiça do Estado de São Paulo, por ocasião Dia de Mundial de Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas, lembrado nesta quinta-feira.

Banda Soul da Paz durante ato pelo Dia Mundial de enfrentamento ao Tráfico de Pessoas, em São Paulo. Crédito: Secretaria de Justiça de SP
Banda Soul da Paz durante ato pelo Dia Mundial de Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas, em São Paulo.
Crédito: Secretaria de Justiça de SP

Além de lembrar o caráter hediondo do tráfico de pessoas, a ação também valorizou a união como uma ferramenta poderosa no enfrentamento a esse crime – seja representada por uma banda composta por representantes de diferentes credos religiosos, seja pela possibilidade real das pessoas se unirem em favor da dignidade humana.

“Quando eu entendo o que é tráfico de pessoas, quando compreendo o meu papel e o papel de muitas outras pessoas (poder público, sociedade civil, entre outros) e de que maneira podemos nos unir para fazer com que as coisas funcionem, elas dão certo”, lembra Juliana Armede, coordenadora do NETP da Secretaria de Justiça.

O ato intercalou canções da banda com pronunciamentos de diferentes personalidades, entre políticos e representantes de organizações não governamentais – entre eles o Cami (Centro de Apoio e Pastoral de Imigrantes), o secretário da Justiça, Aloísio de Toledo César, e o secretário municipal de Direitos Humanos e Cidadania de São Paulo, Eduardo Suplicy.

Ato aconteceu no Marco da Paz do Pátio do Colégio, em São Paulo. Crédito: Secretaria de Justiça de SP
Ato aconteceu no Marco da Paz do Pátio do Colégio, em São Paulo.
Crédito: Secretaria de Justiça de SP

A ação no Pátio do Colégio integra uma série de outras iniciativas encampadas Brasil e mundo afora por conta da data, entre debates, atos públicos e demonstrações de engajamento tanto em meios físicos como nas redes sociais.

Para conscientizar a sociedade em todo o mundo e encorajar a luta contra essa realidade, a ONU (Organização das Nações Unidas) escolheu o dia 30 de julho como o Dia Mundial de enfrentamento ao Tráfico de Pessoas. Esta é a data em que, ainda em 2010, foi aprovado o Plano Global de Combate ao Tráfico de Pessoas adotado pela Assembléia Geral da ONU.

Com informações da Secretaria de Justiça do Estado de São Paulo

Leia também:

UOL – Opinião: Enfrentar tráfico de pessoas exige revisão de hábitos de consumo

Repórter Brasil: O Brasil na geografia do tráfico de pessoas

Blog do Sakamoto: Traficar pessoas é mais greve do que drogas. Mas quem se importa?

Atados: Tráfico de pessoas e as pautas invisíveis dos Direitos Humanos

MigraMundo: Campanha contra o tráfico humano mobiliza cidadãos e gestores em todo o Brasil

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Insira seu comentário
Informe seu nome aqui