Ninel e a luta para vencer um trauma em plena infância

0
137
As situações vividas por Júlia (que preferiu não ser fotografada) são parecidas com as que outras mulheres enfrentam, independente da nacionalidade. Crédito: Eva Bella/MigraMundo

Por Maristela Schmidt*
Em São Paulo (SP)

Ninel** entrou na sala acompanhada de sua mãe. Estava agarrada na camiseta com
olhar assustado. Percebi a desconfiança quando me olhou sentada atrás da mesa.
Perguntei seu nome. Ela continuou calada. Falava com o olhar. Era fixo em mim
com um ar profundo e triste.

Nas primeiras palavras da mãe, consegui entender o silêncio da pequena
boliviana. Não era a primeira vez que escutava esse absurdo. Aquela criança era
mais uma vítima de abuso sexual. Realidade que assombra milhares de crianças e
adolescentes, principalmente meninas.

O medo em seus olhos eram os danos causados pela perversidade de um homem
de mais de 50 anos, colega de sua mãe na oficina de costura. Brasileiro,
promíscuo e criminoso.

Clique aqui para assinar a Newsletter do MigraMundo

Eram férias escolares. A senhora Alejandra** não tinha com quem deixar Ninel. Era
sozinha no Brasil. O marido a tinha deixado há alguns anos e voltado para seu
país de origem.

Para sustentar a casa, trabalhava em uma das inúmeras oficinas de costura na
cidade de São Paulo. Enquanto Alejandra passava horas nas máquinas, sua filha
estava sendo induzida em práticas sexuais com apenas 8 anos.

Sua mudez foi a maneira que encontrou para esconder a vergonha e o
constrangimento de ser abusada.

O abuso sexual também é um problema enfrentado por crianças migrantes.
Crédito: Eva Bella/MigraMundo

Não desisti. Tentei mais uma vez um contato com Ninel. Apenas mexia a cabeça
fixando seu olhar nos meus. Seu olhar ainda demonstrava receio. Peguei um
papel e canetas coloridas. Desenhei um coração e seu nome. Ela me olhou e abriu
um sorriso. Com as canetas em sua mão, fez um sol, uma nuvem, algumas
árvores, uma menina e um coração. Tirou os olhos do papel e com seu olhar
penetrante, ainda em silêncio, os fixou em mim novamente. Assenti com a cabeça
e retribui o sorriso.

O coração estava lá. Este não podia faltar. O amor não precisa de palavras.

 

*Maristela Telles Schmidt, advogada com especialização em andamento em Direito Internacional pela PUC/SP, atuou durante 2 anos no atendimento jurídico da Missão Paz, com foco em regularização migratória e assuntos gerais do direito. Atua como voluntária em projetos para solicitantes de refúgio e refugiados no Brasil e no exterior. Esteve na Palestina e no Líbano em 2015 e 2017, respectivamente, onde trabalhou em projetos educacionais com crianças e famílias refugiadas

**Nomes fictícios para preservar a identidade da filha e da mãe

DEIXE UMA RESPOSTA

Insira seu comentário
Informe seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.