publicidadespot_img
sexta-feira, janeiro 27, 2023

Quem são os jogadores multiculturais da Copa do Mundo 2022

Pesquisa contabilizou 238 atletas com perfil multicultural nesta Copa, sendo 111 nas seleções europeias, 58 nas africanas e 69 nas equipes de Austrália, Canadá, Catar e Estados Unidos

Por Guilherme Freitas

A Copa do Mundo-2022 é sem dúvida a mais multicultural de todos os tempos da competição. Jamais tantas seleções nacionais tiveram ao mesmo tempo elencos com tanta diversidade étnica e migratória. Seja na Europa, na África, na Ásia, na América e na Oceania, todos os continentes estão bem representados neste quesito. O levantamento de minha pesquisa sobre as características multiculturais leva em consideração apenas jogadores que são migrantes ou descendentes de migrantes. E isso não é notado apenas nas equipes europeias, que são o caso mais conhecido.

A Europa vem chamando a atenção global devido aos resultados recentes como os títulos mundiais de Alemanha, em 2014, e França em 2018. Ambos os times tinham em comum um elenco com vários atletas com estas características multiculturais. Jogadores descendentes de imigrantes como Jerome Boateng e Kylian Mbappe ou que nasceram fora das fronteiras de suas seleções, como Miroslav Klose, se destacaram na competição e foram essenciais para o triunfo de suas equipes. Outro caso é Portugal, que conquistou a Euro-2016 com um gol de Éder, um migrante de Guiné-Bissau.

Nunca antes a África teve tantas equipes com este perfil multicultural. São muitos atletas nascidos em outros países, quase todos na Europa e majoritariamente na França. Mas existem também atletas nascidos no próprio país, que migraram ainda muito jovens para o continente europeu e por lá tiveram sua formação como jogadores. Chama a atenção o fato de muitos deles terem defendido as seleções europeias na base, mas optado por jogar pelos selecionados africanos no absoluto. Uma provocação é que o futebol de seleções reflete de certa forma, os impactos do colonialismo europeu. Agora na figura do atleta europeu que vai defender uma seleção africana ao invés de um jogador nascido no continente.

No continente americano o destaque fica para Estados Unidos e Canadá, países que tem um longo histórico de acolher migrantes ao longo de várias gerações e que agora colhem os frutos com os filhos e netos destes migrantes. A dupla mais ao norte do continente, que sediará em 2026 a Copa do Mundo junto com o México, tem uma vasta diversidade em seus elencos com atletas tendo descendências de várias partes do mundo.

Atravessando o mundo rumo a Oceania chegamos a Austrália. É verdade que ela disputa as eliminatórias pela Ásia, mas os australianos, que são outro país forjado na migração, também têm uma equipe bastante diversa. São muitos atletas com descendência europeia, mas também chama a atenção o fato do time ter quatro jogadores que chegaram ao país com o status de refugiados. Três deles oriundos na tensa região entre o Quênia, Sudão e Sudão do Sul na África Oriental.

Por fim, o país-sede também tem um longo histórico de migrações. Pequeno e com uma população também diminuta, o Catar sempre preciso de mão de obra para crescer. A grande massa de trabalhadores gerou filhos nascidos em solo catari e que hoje defendem a seleção nacional. Sem falar em atletas naturalizados após um longo tempo atuando na liga local, algo que o Catar já fez em várias outras modalidades. Apenas uma faceta do soft power catari que vem sendo aplicado de forma bastante agressiva nas últimas décadas.

A pesquisa contabilizou um número de 238 atletas com perfil multicultural nesta Copa, sendo 111 nas equipes europeias, 58 nas africanas e 69 nas equipes de Austrália, Canadá, Catar e Estados Unidos. Devido à vasta diversidade étnica e os históricos fluxos migratórios de vários continentes para o território, optou-se por não aplicar esta metodologia em equipes da América Latina e em outros times asiáticos, onde não se encontrou atletas com essas características.

Nos links abaixo, o leitor pode conferir esses levantamentos de forma separada e com as origens de cada atleta multicultural. Boa leitura e pesquisa!

Jogadores multiculturais das seleções europeias

Jogadores multiculturais das seleções africanas

Jogadores multiculturais de Austrália, Canadá e Estados Unidos

Jogadores multiculturais de Catar/Qatar e outras seleções

Texto publicado originalmente no site Guilherme Freitas Acadêmico

Publicidade

Últimas Noticías