publicidade
sábado, maio 25, 2024

Ausência do ensino do português se torna ferramenta de exclusão para migrantes no Recife

Por Lara Calábria
Do Grupo Migra

Dentre os embates enfrentados pelos imigrantes e refugiados venezuelanos ao chegarem em território brasileiro, mais especificamente no Recife, a língua é um fator que perpassa diferentes contextos nesse processo. Seja no quesito social, judicial, cultural e burocrático, ela está presente. Como bem citou o professor Omana Kasongo Ngandu Petench, vindo da República Democrática do Congo em 2013 como refugiado para o Brasil, ‘’A língua é a identificação de um povo, é o que faz uma integração. Se você não conhece a língua, é muito complicado para se identificar e saber sobre os valores e cultura desse povo.’’

Sem acesso ao idioma e sem medidas para democratizar esse saber, os migrantes ficam cada vez mais marginalizados e longe de conhecer seus direitos e aproximação aos serviços públicos, fato que alimenta a noção de políticas band-aids presente no Brasil, isto é, uma série de costumes e hábitos, seja institucionalizada ou não, que afasta mais do que aproxima de um bem maior.

De acordo com o artigo 4º da Lei n. 13.445/2017 (Lei de Migração), os migrantes têm sim direitos no território brasileiro, como a inviolabilidade do direito à vida, à igualdade, à segurança e à propriedade. No entanto, sem o acesso à língua e, consequentemente, o aumento das dificuldades da naturalização e inserção no país, essa população passa a se distanciar de uma vivência com dignidade.

Em raros casos acontece a preocupação local com a introdução dessas populações, como é a situação da Prefeitura de São Paulo, que utiliza a Cartilha Portas Abertas, desenvolvida pela Secretaria Municipal de Educação, em parceria com a Secretaria Municipal de Direitos Humanos e Cidadania, para o ensino da língua portuguesa para os migrantes. A edição mais recente conta com dois textos do MigraMundo usados para as atividades de aprendizagem propostas no material.

Na capital pernambucana, no entanto, a realidade é diferente. A ausência desse tipo de ação impulsiona ainda mais a marginalização e exclusão dos migrantes e refugiados.

Além da burocracia

Para a doutoranda e pesquisadora de migrações e linguística pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), Camila Lucena, os agravantes vão além. ‘’No meu ponto de vista, dificulta nos momentos burocráticos, aqueles que são os óbvios que o senso comum destaca, como acesso ao trabalho, continuidade da educação, etc, mas percebo que na parte da interação na comunidade também, uma vez que a comunicação fica difícil e alguns desistem de interagir. Mas creio que não é somente a questão linguística neste aspecto, mas sim o preconceito e estereótipos que acompanham
certos grupos migrantes. Então, percebo uma “falta de paciência” com certos grupos’’, disse.

A profissional ainda destaca que não há nenhum protocolo obrigatório de institucionalizado sobre o ensino de línguas para migrantes que chegam ao Recife, e que, caso houvesse, diferentes questões burocráticas seriam resolvidas por meio da comunicação efetiva, segundo ela: ‘’Se houvesse algum programa de ensino, acredito que os migrantes conseguiram se posicionar melhor frente às dificuldades impostas na nova sociedade. Conseguiriam se comunicar melhor e isso facilitaria o dia a dia, pelo menos em parte’’.

Lucena prossegue. “Lembrando que quando falamos da língua, alguns outros fatores vêm juntos como validação dos diplomas, tradução dos documentos, etc, elementos essenciais e que de fato já seria meio caminho andado. No meu ponto de vista, o Estado deveria ter uma comissão responsável por esses elementos e junto com isso a oferta do ensino de língua’’ ressalta.

As limitações e preconceitos nem sempre aparecem de forma explícita. A falta de ensino é grave, mas o impedimento a informação de que esse ensino existe também atenua a exclusão. A migrante venezuelana Danedis Del Carmo, de 26 anos, que chegou ao Brasil em 2019 com esposo e dois filhos, afirmou que sua maior dificuldade em relação ao idioma foi quando se mudou para Recife.

‘’A gente chegou primeiro em Roraima, e lá não tivemos tantas dificuldades porque já tinha muitos venezuelanos. Eu
também fiz um curso de português básico lá. Mas os venezuelanos que chegaram com a gente e também foram para Pernambuco, sentiram mais dificuldade aqui, a maior delas para achar emprego. Eles [empregadores] acreditavam que a gente não sabia falar portugues direitinho. Eles perguntavam se a gente sabia falar mas nem olhavam para nós’’ disse.

Alternativas

Apesar da não oficialização por parte do Estado e da sua visível negligência com essa questão, algumas ONGs e iniciativas da sociedade civil tentam preencher a lacuna e criar alternativas. A ONG Aldeias Infantis, que promove aulas virtuais de língua portuguesa e cultura brasileira para crianças venezuelanas. A ideia é colocar o aprendizado do idioma como porta de entrada para a sociedade.

O YouTube também se configura como uma ferramenta gratuita e eficiente no ensino da língua portuguesa, dentro da realidade dos migrantes que possuem acesso à internet. Canais como Português com Leticia, Portugués con Philipe Brazuca, Brasileirices e Tudo Bom? Português para Estrangeiros disponibilizam o ensino do idioma falado no Brasil.

Outra medida que poderia ser implementada pelas Prefeituras é a institucionalização e uso da cartilha de ensino de português para refugiados no Brasil. Intitulada ‘’Pode entrar: Português do Brasil para refugiadas e refugiados”, a cartilha foi lançada pela Agência da ONU para Refugiados (Acnur) e pode ser baixada gratuitamente pela internet.


*Venha ser parte do esforço para manter o trabalho do MigraMundo! Veja nossa campanha de financiamento recorrente e junte-se a nós: https://bit.ly/2MoZrhB

*Gostaria de ingressar em nosso grupo de WhatsApp para receber em seu celular as atualizações do MigraMundo? Envie seu nome e telefone para [email protected]

Publicidade

Últimas Noticías