publicidade
sexta-feira, julho 12, 2024

Naufrágio no Iêmen mostra que mortes em travessias migratórias marítimas vão além do Mediterrâneo

Segundo dados do Missing Migrants Project, da OIM, 2.904 migrantes morreram ou desapareceram na rota do Mar Vermelho desde 2014, sendo 206 só neste ano

Por Dominique Maia

O Mar Mediterrâneo representa a rota migratória mais letal da atualidade, com menções constantes na mídia internacional. No entanto, vale recordar que outras vias usadas por migrantes em busca de melhores condições de vida oferecem igualmente riscos e não raramente custam a vida daqueles que se arriscam por tais caminhos.

Uma dessas vias é a que compreende o Mar Vermelho o Golfo de Áden, que separam a costa leste africana e a Península Arábica. Em junho de 2024, um barco que transportava migrantes naufragou na costa do Iêmen, resultando na perda de pelo menos 49 vidas, enquanto outras 150 pessoas permanecem desaparecidas. Segundo a Organização Internacional para as Migrações (OIM), a embarcação levava mais de 260 migrantes, a maioria vindos da Somália e da Etiópia, em uma tentativa de alcançar os países do Golfo Pérsico.

O naufrágio ocorreu próximo ao ponto de Alghareef, na província de Shabwah, durante uma viagem de aproximadamente 320 quilômetros (200 milhas), ocorrida no dia 10 de junho. Conforme relatos de sobreviventes, o barco partiu de Bosaso, na Somália, por volta das 3h da manhã no dia 09 de junho, transportando 115 somalis e 145 etíopes, incluindo aproximadamente 90 mulheres. Entre as vítimas fatais estavam 31 mulheres e seis crianças, conforme informado pela OIM.

Tragédias anteriores, como os naufrágios recentes ocorridos na costa do Djibouti, ilustram os perigos enfrentados por aqueles que buscam melhores condições de vida através dessa rota migratória.

Desafios da migração e resposta da OIM 

Segundo Mohammedali Abunajela, porta-voz da OIM, essa tragédia evidencia a necessidade urgente de cooperação para enfrentar os desafios críticos da migração e garantir a segurança dos migrantes nessas rotas.

Entre os 71 sobreviventes, oito foram transferidos para um hospital para tratamento de lesões graves, enquanto os outros 63 receberam primeiros socorros no local, incluindo atendimento médico e curativos em uma unidade móvel de saúde. Além disso, psicólogos da OIM estão fornecendo suporte em saúde mental para 38 pessoas.

Entre os desafios enfrentados pela agência da ONU, destaca-se a escassez de barcos de patrulha operacionais para a busca e resgate, à medida que mais corpos são encontrados ao longo da costa. Além disso, a comunidade local tem colaborado nos esforços de recuperação e sepultamento dos falecidos em Ayn-Bamaabed.

Segundo dados do Missing Migrants Project, iniciativa da OIM, 2.904 migrantes morreram ou desapareceram por meio dessa rota do Mar Vermelho desde 2014. Só neste ano já foram 206 pessoas. A própria agência da ONU admite que os números reais devem ser ainda maiores, dado que certos naufrágios sequer são reportados.

O fluxo contínuo de migrantes ao longo desta rota sublinha os desafios enfrentados por migrantes e refugiados, expondo-os a perigos físicos e legais ao longo da jornada migratória. As autoridades internacionais e os governos envolvidos têm sido desafiados a lidar com essa complexa questão, buscando soluções que garantam a segurança e os direitos dos migrantes, ao mesmo tempo em que abordam as causas profundas que impulsionam esses movimentos populacionais.

Guerra Civil no Iêmen intensifica crise humanitária para migrantes

Apesar da prolongada guerra civil no Iêmen, o fluxo de migrantes africanos para a região triplicou entre 2021 e 2023, aumentando de cerca de 27 mil para mais de 90 mil anualmente, como apontado anteriormente pela OIM. Atualmente, estima-se que cerca de 380 mil migrantes estejam no Iêmen, utilizando-o como ponto de passagem para tentar alcançar os países do Golfo Pérsico em busca de oportunidades de trabalho.

Esses migrantes, em sua maioria provenientes de países do Chifre da África, enfrentam viagens arriscadas pelo Mar Vermelho, buscando escapar de conflitos, desastres naturais e condições de pobreza em suas regiões de origem. A maioria dos que seguem essa rota não têm outra opção senão recorrer a viagens por rotas irregulares, muitas vezes tendo que confiar suas vidas a contrabandistas para facilitar sua travessia. A ausência de caminhos seguros agrava ainda mais os desafios enfrentados por essas pessoas, colocando-as em condições extremas enquanto buscam segurança e melhores condições de vida.

Leia também: Conflito no Iêmen desloca milhares de pessoas em ”pior catástrofe humanitária mundial”

O objetivo final para muitos desses migrantes é alcançar países mais prósperos, como Arábia Saudita e outros países do Golfo, onde esperam encontrar oportunidades de trabalho, especialmente nos setores de construção civil ou serviços domésticos.

Os perigos não cessam depois de superada a travessia marítima. Em agosto de 2023, a Human Rights Watch acusou os guardas de fronteira sauditas de estarem envolvidos na morte de centenas de migrantes etíopes que tentavam atravessar a fronteira do Iêmen para a Arábia Saudita entre março de 2022 e junho de 2023. Em resposta, Riad refutou as conclusões do relatório da ONG, argumentando que estas não se baseavam em fontes confiáveis.

Publicidade

Últimas Noticías