Refugiados organizam Copa do Mundo em SP e deixam recado à sociedade

9
21

Pouco mais de um mês após o Mundial da Fifa, São Paulo voltou a viver clima de Copa do Mundo neste fim de semana. Depois da Copa Gringos e da Copa do Mundo de refugiados organizada pela Adus, os imigrantes que vivem em São Paulo tomaram parte em mais um Mundial de futebol, totalmente organizado pelos próprios refugiados.

A mais recente Copa do Mundo dos refugiados reuniu seleções de 16 países, todas formadas por refugiados ou solicitantes de refúgio que vivem no Brasil. Uma comissão de dez refugiados organizou todo o evento, contando com o apoio da Caritas São Paulo, do Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados (ACNUR), da ONU Mulheres e da UNAIDS.

Doações por depósito bancário e por meio de uma campanha lançada na internet ajudaram a arrecadar os fundos necessários para a realização do torneio, que teve ainda o apoio de dezenas de voluntários que souberam da Copa por meio das redes sociais e se juntaram à  equipe de apoio do evento.

Cartaz da Copa do Mundo dos Refugiados, que reuniu 16 seleções formadas inteiramente por refugiados e solicitantes de refúgio. Crédito: Miguel Ahumada
Cartaz da Copa do Mundo dos Refugiados, que reuniu 16 seleções formadas inteiramente por refugiados e solicitantes de refúgio.
Crédito: Miguel Ahumada

As partidas aconteceram durante os dias 2 e 3 de agosto no Centro Esportivo Novo Glicério (também chamado de Campo da Tia Eva), região central da cidade. Ao final dos dois dias de competição, a seleção da Nigéria levou a melhor conquistou o título. Após um empate em 3 a 3 com Camarões no tempo normal, veio a vitória nos pênaltis por 3 a 1, seguida de muita festa e volta olímpica no campo.

O terceiro lugar ficou com a seleção do Mali, que também decidiu o jogo nos pênaltis contra a Guiné.

Seleção da Nigéria comemora título da Copa do Mundo dos Refugiados. Crédito: Rodrigo Borges Delfim
Seleção da Nigéria comemora título da Copa do Mundo dos Refugiados.
Crédito: Rodrigo Borges Delfim

Protagonismo e contribuição

A Copa do Mundo dos Refugiados foi mais um exemplo do protagonismo e da contribuição que esses migrantes já entregam ao país e que podem fazer ainda mais, independente da origem, crença ou história de vida.

“É o resultado do esforço dos refugiados que se empenharam em organizar o torneio e resolver as polêmicas que surgiram no processo. E com isso eles demonstraram uma grande capacidade de organização, produção e contribuição com o país em que agora vivem”, disse Luiz Fernando Godinho, porta-voz da ACNUR, uma das entidades que deram apoio à Copa.

As demais seleções receberam medalhas pela participação na Copa. Crédito: Rodrigo Borges Delfim
As demais seleções receberam medalhas pela participação na Copa. Crédito: Rodrigo Borges Delfim

“Esse campeonato mostra, primeiro para o Brasil e depois para o mundo, que aqui temos os refugiados, pessoas que passaram por muitas situações e que também têm sentimentos, merecem respeito”, disse Jean Katumba, da República Democrática do Congo e integrante da comissão organizadora. Ele ainda ficou surpreso com o resultado da Copa. “Estou muito feliz. A gente quando teve essa ideia não achava que ficaria tão agitado”.

Adama Konate, do Mali, que também integrou a comissão que organizou e promoveu a Copa, destacou a felicidade dos migrantes presentes em poder torcer pelo país de origem e de estabelecer novas amizades, além dos planos para o futuro. “Todos estão felizes, criando novas amizades e querem fazer de novo. A ideia é que ele seja feito [a Copa] cada ano”, diz.

Esporte (futebol ou críquete) como elemento de paz, união e alegria

O futebol foi o pretexto encontrado pelos refugiados para promover um evento no qual pudessem conhecer melhor um ao outro, esquecer um pouco dos problemas que já viveram (e ainda enfrentam por aqui) e mostrar quem são e o que podem fazer pelo novo lar.

O chamado pela paz e pela união está implícito no próprio hino da competição. “Eu e você, vamos viver em paz/ briga e guerra, vamos deixar para trás/ refugiados, nós somos capaz (sic) / discriminação, não pode mais”, diz um trecho da música, que pode ser vista abaixo:

“É importante para os refugiados poderem se conhecer um ao outro e esquecer um pouco os problemas que acontecem e ficar juntos, vivendo e buscando a paz”, conta o rapper Romeo Guslarime Fomo, nascido em Angola e criado em Camarões, que além de organizador fazia a função de narrador dos jogos. Ele mantinha a animação mesmo quando a seleção camaronesa levava um gol.

Quem também narrava os jogados ao lado de Romeo era José Pelé Messa, de Angola, que lembrou o passado recente da terra natal para pedir paz e admirou o resultado do evento. “Minha terra passou 30 anos em guerra, uma coisa muito ruim. O futebol é uma coisa de paz, de alegria e união e está sendo muito legal ver todos reunidos aqui”.

Pênalti batido pela Nigéria que garantiu o título para a seleção na final da Copa. Crédito: Rodrigo Borges Delfim
Pênalti batido pela Nigéria que garantiu o título para a seleção na final da Copa.
Crédito: Rodrigo Borges Delfim

Já para Saifullah Al Mammm, de Bangladesh, o evento foi ainda uma oportunidade de mostrar um pouco dos costumes do país natal. Mas além de mostrar que também se joga futebol em Bangladesh, ele deixou uma sugestão para o futuro: “Para o ano que vem precisa ter uma Copa só de críquete (esporte mais popular de Bangladesh)”, brincou.

Novos pedidos de refúgio aprovados

A Copa do Mundo dos Refugiados celebrou ainda uma conquista recente. Na última quarta-feira (30), o Comitê Nacional para os Refugiados (Conare) decidiu conceder refúgio no Brasil a 680 estrangeiros, sendo 532 sírios.

Com as novas autorizações, eles passam a compor a maior população estrangeira nesta condição no Brasil, com 1.245 pessoas. Depois deles, estão colombianos (1.169), angolanos (1.066), congoleses (681) e libaneses (391), segundo dados do Ministério da Justiça.

Chaveamento dos 16 times que participaram desta primeiro edição da Copa. Crédito: Divulgação
Chaveamento dos 16 times que participaram desta primeiro edição da Copa.
Crédito: Divulgação

Além dos 532 sírios, obtiveram o benefício 57 pessoas do Mali, 22 da República Democrática do Congo, 19 da Nigéria, 15 de Guiné-Conacri, 5 de Camarões, 4 de Angola, 3 de Togo, 3 do Paquistão, 2 da Colômbia, 2 da Costa do Marfim, 1 do Líbano, 1 da Palestina, 1 da Sérvia e 1 do Sudão. Outros 14 pedidos foram negados.

Com as novas concessões, o Brasil passa a contar 6.588 estrangeiros refugiados no total. Esse número deve aumentar nos próximos anos e vai requerer um esforço adicional das três esferas de governo (federal, estadual e municipal) e da sociedade não só para garantir a regularização dessa população, mas sobretudo para permitir que os novos habitantes do Brasil tenham uma vida digna e possam contribuir com o país.

9 COMENTÁRIOS

  1. […] A segunda fala, de Maria Cristina Morelli, coordenadora do centro de acolhida da Cáritas, mostrou a diferença entre o refugiado e o migrante, o aumento da solicitação de refúgio no Brasil, as visões precipitadas de muitos acerca de quem é o refugiado e as dificuldades de língua, albergamento, cultura, moradia, trabalho, continuidade dos estudos e saúde enfrentadas por esta população, bem como algumas iniciativas da Cáritas em São Paulo, como a Copa dos Refugiados […]

DEIXE UMA RESPOSTA

Insira seu comentário
Informe seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.