Ranking global de passaportes é exemplo do “apartheid” na mobilidade humana: entenda

Passaporte brasileiro aparece na 20ª posição em ranking global do documento. A lista também permite uma série de reflexões sobre a mobilidade humana global

0
324
Modelo mais recente de passaporte adotado pelo Brasil
Modelo mais recente de passaporte adotado pelo Brasil. (Foto: Divulgação/Itamaraty)

A cada trimestre a consultoria britânica de mobilidade global Henley & Partners divulga uma lista dos passaportes mais fortes do mundo – no caso, aqueles que permitem a entrada como turista em mais países sem a necessidade de visto. Esse ranking, no entanto, permite outras leituras que servem como exemplo das limitações e contradições da mobilidade global humana. Um quadro que, inclusive, ficou ainda mais evidente com a pandemia de Covid-19.

Na primeira atualização de 2022, divulgada em 11 de janeiro, os passaportes de Japão e Singapura continuaram como os mais “poderosos”, com a entrada permitida em 192 países. Em seguida, aparecem Alemanha e Coreia do Sul (com acesso sem visto em 190 países).

De acordo com a lista da Henley, o passaporte brasileiro aparece na 20ª posição, com entrada sem visto permitida em 169 países, mesmo número do documento de viagem de San Marino. Eram 170 em 2021, mas o México passou a exigir dos brasileiros o visto de entrada, como forma de reduzir a entrada de pessoas interessadas em usar o território mexicano para tentar acessar os Estados Unidos de forma indocumentada.

PaísPosição rankingPaíses que permitem entrada sem visto
Japão 1 192
Singapura 1 192
Alemanha 2 190
Coreia do Sul 2 190
Finlândia 3 189
Itália3 189
Luxemburgo3 189
Espanha3 189
Hong Kong18171
Argentina 19170
Brasil 20 169
San Marino 20 169
Fonte: 2022 Henley Passaport Index

Por sua vez, na parte de baixo aparecem Iêmen, Paquistão, Síria, Iraque e Afeganistão, sendo este o último país do ranking – apenas 26 nações não exigem visto de cidadãos afegãos.

PaísPosição rankingPaíses que permitem entrada sem visto
Líbia10340
Coreia do Norte10439
Nepal10537
Palestina10537
Somália10634
Iêmen10733
Paquistão10831
Síria10929
Iraque11028
Afeganistão11126
Fonte: 2022 Henley Passaport Index

O ranking completo pode ser acessado e baixado neste link.

“Apartheid” na mobilidade global

Ao divulgar a nova edição do ranking de passaportes, a Henley retomou uma fala do secretário-geral da ONU, António Guterres, sobre a existência de um “apartheid nas viagens” pelo globo, que ficou mais evidente na pandemia de Covid-19.

Em dezembro passado, Guterres usou o termo para se referir às restrições impostas por grande parte da comunidade internacional a cidadãos procedentes de nações africanas em razão do avanço da variante ômicron da Covid-19 – identificada inicialmente na África do Sul, mas que se disseminou especialmente na Europa. Uma medida que, segundo ele, contribui para uma maior estigmatização dos africanos, que pelo menor poder econômico estão entre os que possuem o mais baixo acesso a vacinas contra o vírus. A taxa média de imunização no continente gira em torno de 6%, segundo a Organização Mundial de Saúde.

“O que é inaceitável é que, com o vírus por todos os lados, uma parte do mundo, a mais vulnerável, está sendo condenada ao fechamento, quando foi a primeira a revelar a existência de uma nova variante (do vírus) que, a propósito, já existia em outras partes do mundo, incluindo a Europa”, argumentou Guterres.

O especialista em mobilidade global Danyel Andre Margarido, colunista do MigraMundo, concorda com a avaliação de Guterres. Em termos mais práticos, de acordo com ele, o ranking é um exemplo das oportunidades (se você for nacional de um país rico) e dos desafios (se for de um país considerado pobre), em sua movimentação pelo mundo.

“A abertura para um nacional de um país rico é maior, pois entende-se que ele possui maneiras de gastar mais dinheiro em outro país rico ou mesmo em países pobres. Já nacionais de países pobres possuem um estigma de fuga, não de investimento. Ou seja, a viagem a outro país é vista como uma oportunidade de permanecer mais tempo do que o permitido pelo visto, ou mesmo um pedido de refúgio”.

O fato de os países que ficam na lanterna do ranking de passaportes estarem entre os que mais geram refugiados no mundo não é mera coincidência, na visão do consultor.

“Mas não só por questões de perseguição, questões políticas e demais temas adversos, que causam a busca por países para refugiar-se, mas também pelo estigma que alguns países possuem. Isso já faz com que os países mais ricos levantem muros para tentar barrar a entrada de pessoas que buscam oportunidades”, ressalta Margarido.

Reciprocidade e acordos

Vale lembrar que esse ranking não se aplica para questões que diferem de turismo e negócios, como estudo e trabalho – nessas situações, os países costumam exigir vistos específicos que habilitam a pessoal para o exercício dessas atividades.

Há também questões como o Princípio da Reciprocidade, quando um país apenas exige visto de entrada para turismo e negócios do cidadão de outro país que faz a mesma exigência. Esse fato, segundo Margarido, contribui para que o Brasil tenha uma posição relativamente elevada no ranking de passaporte, junto com os acordos do Mercosul.

Por outro lado, essa relação pode ter exceções. Desde 2019, por ordem do presidente Jair Bolsonaro, cidadãos dos Estados Unidos, Canadá, Japão e Austrália estão isentos de apresentar visto de entrada para turismo ou negócios no Brasil, sob o argumento de fomentar o turismo. Estes países, no entanto, continuaram a exigir visto de entrada dos brasileiros para os mesmos fins.

A medida foi criticada à época por violar o Princípio da Reciprocidade aplicado pelo Brasil em relação a outros países, sob risco de abrir o precedente para outras situações semelhantes – e que pode, inclusive, influenciar em futuras edições do ranking.

Caminhos possíveis

No comunicado à imprensa sobre o ranking de passaporte, o presidente da Henley e inventor da lista, Christian H. Kaelin, afirmou que abrir canais de migração é essencial para a recuperação pós-pandemia. 

“Passaportes e vistos estão entre os instrumentos mais importantes que afetam a desigualdade social em todo o mundo à medida que determinam oportunidades de mobilidade global. A região geográfica na qual nascemos e os documentos aos quais temos direito não são menos arbitrários do que a nossa cor de pele. Os estados mais ricos precisam encorajar a migração positiva para o interior para ajudar a redistribuir e reequilibrar os recursos humanos e materiais em todo o mundo.”

O encorajamento de formas mais seguras e regulares de migração vai ao encontro do que prevê a meta 10.7 da Agenda 2030, e também do Pacto Global para a Migração, lançado em dezembro de 2018.

Ainda no sentido da recuperação global pós-pandemia, o jornalista e professor associado do Instituto Harriman da Universidade de Columbia, Misha Glenny, alertou que o surgimento da variante Ômicron da Covid-19 justamente no continente africano é um efeito direto da falta de atenção dos países mais ricos com a África. E que a atual situação fica como lição a ser aprendida e colocada em prática.

“A própria presença de Ômicron aponta para uma grande falha geopolítica. Se os Estados Unidos, Grã-Bretanha e a União Europeia tivessem direcionado mais recursos e vacinas para o sul da África, as chances de uma nova cepa tão robusta teriam sido muito mais baixas. Até que compartilhemos a distribuição de vacinas de forma mais igualitária, novas mutações terão a capacidade de nos fazer retroceder de volta para o ponto de partida.”


*Venha ser parte do esforço para manter o trabalho do MigraMundo! Veja nossa campanha de financiamento recorrente e junte-se a nós: https://bit.ly/2MoZrhB

*Gostaria de ingressar em nosso grupo de WhatsApp para receber em seu celular as atualizações do MigraMundo? Envie seu nome e telefone para blogmigramundo@gmail.com

DEIXE UMA RESPOSTA

Insira seu comentário
Informe seu nome aqui